Machismo e Homofobia no Alojamento !

É inadmissível que em pleno século 21 ainda temos que gastar energia e discutir direitos naturais, como ter uma identidade, ir e vir e relacionar-se (sexualmente) com qualquer pessoa independentemente de seu sexo. O recente caso de homofobia no alojamento da UFRJ é um indicativo do futuro que nos espera. Um lugar onde deveria ser vanguarda; onde se formam os profissionais do futuro ainda está mergulhado em conceitos conservadores, retrógrados e intolerantes. Abaixo segue a moção de repúdio da Assembléia de Estudantes do Alojamento da UFRJ e como tudo aconteceu:

Moção de repúdio ao ato de Homofobia no Alojamento da UFRJ

A Assembléia de Estudantes do Alojamento da UFRJ vem à público explicitar à toda comunidade acadêmica e sociedade civil, seu absoluto repúdio ao ato homofóbico ocorrido nas dependências do Alojamento estudantil da UFRJ na noite da quinta-feira 08/09/2010 em plena divulgação da programação da l Semana de Debates sobre Territorialidade que compõe um dos cinco eixos do calendário de lutas contra as opressões, cujo a última atividade promovida pelo grupo no mês de julho de 2010 havia sido a l Semana de Luta contra a Homofobia, cujo tema foi: “Reconhecer as diferenças, construir o respeito na diversidade e trabalhar a transformação de consciências por uma nova sociabilidade; estudantes desconstruindo paradigmas”,iniciativa ousada que conquistou adesão e apoio de considerável parcela da comunidade de estudantes alojados.

O ato de intolerância teve início com a retirada por duas vezes de 28 panfletos das portas dos módulos de um dos andares do bloco masculino e colados na porta do amigo do agressor, numa perversa brincadeira de péssimo gosto. O autor justificou sua atitude se dizendo motivado pelo simples fato de militantes (do movimento que pensa, reflete, discute e promove ações contra as diversas expressões do sistema de opressões), terem fixado um panfleto com cinco pequenas imagens em branco e preto, no qual uma delas mostrava um beijo entre dois homens, prosseguiu expressando sua intolerância por homossexuais, reclamando que não era obrigado a conviver com “viados” que moram próximo ao seu quarto, e continuou queimando um dos panfletos desta vez afirmando que não iria tolerar que afixassem “coisa de viado” na porta de seu módulo no qual convive com outros três estudantes alojados, numa atitude que visava nitidamente coagir, constranger, humilhar, amedrontar, e cercear o direito de livre expressão da orientação sexual, caracterizando homofobia, e desrespeitando a lei Anti–Discriminação(Lei 3406/00),que trata da punição da discriminação contra Lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros (LGBT’s).

A presente denúncia é concebida e operada na perspectiva do registro e documentação para a posteridade, de mais um episódio de ódio e intolerância contra homossexuais na tão controvertida história do “Aló”, que é pioneiro na modalidade do conceito de moradia estudantil, surgido nos anos de chumbo regime ditatorial brasileiro, e que conta em seus trinta e seis anos de existência com relatos como o: da divisão segregacionista de um dos andares deste mesmo bloco masculino em duas partes denominadas “Castelo de Cristal” e “Caverna do Dragão”, numa clara alusão à uma falsa bipolaridade moral de cunho valorativo machista, sexista e homofóbico.


O lamentável episódio ocorrido em meio a mobilização de estudantes comprometidos com a causa da luta contra as opressões, desencadeou a defraglação imediata da aglutinação de um grupo de moradores e moradoras do alojamento, questionando este comportamento inadmissível, que tensionaram e exigiram explicações do agressor.
Isto posto, reiteramos que a finalidade deste documento é vir à público cobrar o compromisso desta universidade em zelar e reafirmar os princípios de respeito à pluralidade e diversidade, e o empenho na eliminação de todas as formas de preconceito e discriminação por questões de origem social, gênero, etnia, religião, nacionalidade, idade, condição física, e ORIENTAÇÃO SEXUAL no âmbito de todas as suas unidades e repartições.


Desta forma a Assembléia do Alojamento da UFRJ reafirma sua luta intransigente contra toda forma de discriminação, intolerância e opressão, conclamando o movimento estudantil a posicionar-se firmemente na recusa a toda forma de manifestação de intolerância, ódio e violência homofóbica, e convoca as instâncias de gestão responsáveis pela universidade à responder sobre quais medidas serão realizadas na perspectiva educativo/preventiva no sentido de garantir o respeito e o cumprimento de direitos civis e políticos de homossexuais, assim como coibir e evitar a ocorrência deste tipo de comportamento retrogrado e potencialmente perigoso nas dependências de todos os Campi da maior universidade pública federal, que cumpre um papel de referência para as demais instituições de ensino superior de todo o país.

Assembléia de Estudantes do Alojamento da UFRJ
21 de setembro de 2010.

2 comentários:

Jonas disse...

É uma pena que a pederastia e a iniquidade estejam mais do que campeando nos dias atuais, mas sendo promovidas, quase incentivadas. É mais do que natural a reação dos estudantes heterossexuais, quando lhes tentam impor uma versão pederástica de mundo. Homossexualismo é uma doença, cujos portadores devem ser tratados. "Homofobia" é o medo irracional de homossexuais, palavra que não pode jamais ser utilizada para descrever o preconceito contra os mesmos.

Fernando Lúcio de Oliveira disse...

http://br.eleicoes.yahoo.net/noticia/serra-diz-ser-favor-vel-uni-o-civil-de-homossexuais.html